segunda-feira, 4 de agosto de 2014

[Rabiscos] Minha Espera

   Quando corto o bolo de aniversário sempre penso na palavra “encaixe”. Todos os anos. Seja bolo de chocolate, morango ou os dois juntos. Seja dia da semana ou não. Seja o aniversário de 7 ou 17. Seja aqui ou nos meus sonhos.
   Sempre desejei ser como os outros
   Amar por inteiro
   Me entregar por inteiro
   Ser
   Inteiro
   Não ser como os outros no sentido de ser igual. Mas ser humano exatamente como todos parecem ser. Porque acho que me falta algo. Sinto isso. E não lá no fundo, escondido nas profundezas de quem sou. Se sou alguma coisa. Está em mim. Impregnado. Agarrado. Tóxico. Começou pequeno como uma pulga simpática. Mas aos poucos foi pulando para todos os cantos, infectando tudo o que aprendi a ser. Então, agora, não me resta ser. Não me resta nada. Porque não sei mais o que é isso.
   Queria saber sentir como todos os outros. Ver aquele brilho, tão característico, tão pessoal, tão diverso. Vejo-o o tempo todo nos olhos alheios. Mas não quando encaro o espelho.  O único brilho presente em meus olhos é uma luz piscante. Que ao ilumina em quase nada a escuridão que posso ver. Uma luz de dúvida. Uma luz que não queria estar lá. Eu preferiria a completa escuridão à perturbação que essa parca luz pode me dar.
   Queria ter o dom de ser eu mesmo. Ter aquela sanidade, ainda que aparente, que estica os lábios e atraem acenos de aprovação. Que chama a atenção para o bem, que faz os olhos brilharem com aquele intensidade peculiar. Queria encarar a pessoa que me olha do espelho e dizer “sou são, sou limpo, transparente”. Mas não posso. Ao contrário, deus me deu o dom da loucura. E por sua culpa agora permaneço à deriva, sem saber a diferença
   Entre o belo e o feio
   O claro e o escuro
   O mim e o nada.
   Agora, o que me resta? Me resta sentar e esperar. Me resta a rebeldia. Me resta a busca pelo meu brilho nos olhos. Me resta usar essa minha loucura
   Meus versos
                        Livres.
   Versos livres
                       Leves e soltos.
   Para fazer deste mundo. O meu mundo. O nosso mundo. Um lugar melhor. Um lugar real além do real imaginário. Um lugar suportável. Amável. Mortífero. Apenas um lugar.
   Me resta roer as amarras aos poucos. Me resta desgastá-las com minha lágrimas
   (elas que estão cheias deste veneno tóxico).
   Me resta encarar as cordas, correntes, fitas e laços de amores falsos. Ao invés de encarar a imagem que ri de mim no espelho. Me resta encarar a imagem no espelho. Destruí-la moldá-la esticá-la até que me faça bem. Bem melhor. Bem pior.
   Não me resta mais nada.
   Apenas sentar

   E esperar.                                  

Um comentário:

  1. Ana, você escreve maravilhosamente bem! :) Parabéns!

    ResponderExcluir

Hey!, se você não comentar, como vou saber que passou por aqui? Deixe sua opinião e faça uma pessoa feliz ~voz campanha de solidariedade~